‘Todos os Marcos Atravessam o Imaginário’ é reminiscência e desdobramento da performance ‘Marco Zero’ realizada em 2016. Entra na Mostra Corpus Urbis 2017, como intervenção poética urbana no formato de lambe-lambe

Projeto Marco Zero

Performance Marco Zero.

Macapá – Amapá – Brasil.

Sobre a linha imaginária do Equador.

Foto: Geísa Freitas Edição: Marcela Antunes

Performance Marco Zero.

Macapá – Amapá – Brasil.

Sobre a linha imaginária do Equador.

Foto: Geísa Freitas Edição: Marcela Antunes

Performance Marco Zero.

Macapá – Amapá – Brasil.

Sobre a linha imaginária do Equador.

Foto: Geísa Freitas Edição: Marcela Antunes

Performance Marco Zero.

Macapá – Amapá – Brasil.

Sobre a linha imaginária do Equador.

Foto-celular: Maíra Vaz Valente Edição: Marcela Antunes

Monumento Marco Zero Fotografia: Marcela Antunes

Estudo para Projeto Marco Zero.

Coleção de céus

Paleta de azul.

Estudo para Projeto Marco Zero.

Coleção de céus

Estudo para Projeto Marco Zero.

Coleção de céus

Lambe lambe_Local: Macapá, 2017

Estudo para Projeto Marco Zero.

Coleção de céus

Estudo para projeto de lambe lambe desdobramento da performance Marco Zero. * Cartografias cartesianas: mapas em dobras, medições relativas, referência de origem, tamanho real, ideais favo-estabelecidos

Marco Zero

Deitada sobre a passagem ‘exata’ da linha imaginária do Equador, no monumento Marco Zero na cidade de Macapá, porto uma câmera instantânea na mão e assim inicio a performance. Fotografo o céu a partir desta perspectiva, oscilo e registro ora o céu do hemisfério norte ora o céu do hemisfério sul e então disponho as fotos sacadas em um nota-livro nomeado ‘Céu de hemisférios’.
Se na terra traçamos linhas e fronteiras, qual seria esta linha quando olhamos para o céu, senão sempre imaginárias?
*
O mesmo céu que abrange ambos hemisférios, desenhado por nuvens, rasgado por chuvas e seco pelo sol foi o foco destas capturas.

Tempo: o rolo do filme

Realização no evento Corpus Urbis no Marco Zero
Macapá – Amapá, Brasil
http://corpusurbis.wixsite.com/corpusurbis
Agosto 2016
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
TODOS OS MARCOS ATRAVESSAM O IMAGINÁRIO
* Proposta de intervenção poética urbana apresentado no formato lambe-lambe _ Corpus Urbis 2017 *
Inicio este processo a partir do AutaGraph mapa, idealizado por Hajime Narukawa que nos apresenta um mapa com as proporções reais oceânicas e continentais do mundo, este foi inspirado e desenvolvido através da técnica milenar japonesa, a de dobradura de papel, o origami.
Tomo este mapa como referência provocativa ao real, ilusório, inventado e poético sincronicamente com o título que também aparece no lambe.
“Todos os marcos atravessam o imaginário” meneia entre as palavras e imagem. Palavras que aludem ao monumento e nome – Marco Zero; a um atravessar e um impedimento deste atravessar físico e metafórico; ao imaginário que se por um lado pode ser atribuído ao universo do fantástico, por outro também pode pertencer ao campo do ilusório, do fictício e inventado, bem como a imagem desta representação de mapa mundi, aqui sobreposta repetidas vezes em prol de agir como um ecoar que ascende para outras possíveis demarcações, dimensões e limiares e que constantemente remarcadas são sincronicamente borradas.